Uso de smartphones pode aumentar risco de cegueira, aponta estudo

19/03/2019
Uso de smartphones pode aumentar risco de cegueira, aponta estudo

      Os pesquisadores alertam para o fato de que estamos constantemente expostos a esses dispositivos e que as estruturas do olho, como a córnea e a retina, não são capazes de bloquear ou refletir essa luz, deixando-nos vulneráveis a efeitos danosos.  O grande risco é que a exposição prolongada à luz azul provoca a morte das células fotorreceptoras (sensíveis à luz), uma das causas da degeneração macular, uma condição incurável que causa cegueira.

 

      Os resultados do estudo atual foram baseados na análise de imagens de células vivas. O experimento revelou que a luz provoca alterações na membrana plasmática das células oculares, interrompendo suas funções. Segundo os cientistas, o estudo conseguiu elucidar como esses danos ocorrem, o que pode ajudar na criação de tratamentos capazes de retardar a degeneração macular.

Prejuízos à visão

      A equipe explica que o contato da retina com a luz azul desencadeia reações que destroem as células fotorreceptoras. Uma vez destruídas, elas não se regeneram; portanto, não é possível reverter o dano.

   

 Os cientistas também descobriram que, em laboratório, a luz azul é capaz de causar a morte de células de outras partes do corpo, como as cardíacas e os neurônios, por exemplo. 

 

   Ao aprender mais sobre os mecanismos da cegueira em busca de um método para interceptar reações tóxicas causadas pela combinação de luz azul e retina, esperamos encontrar uma maneira de proteger a visão das crianças que crescem em um mundo de alta tecnologia.

 

   Enquanto isso, os pesquisadores recomendam o uso de óculos com lentes que possam filtrar luz UV e luz azul, assim como evitar usar equipamentos eletrônicos no escuro, para diminuir os riscos de danos à visão.

 

   Embora os cientistas tenham investigado os mecanismos pelos quais a luz azul pode prejudicar a visão, ainda são necessários mais estudos para medir o real impacto do uso desses dispositivos no surgimento de doenças.

 

Degeneração macular

     A degeneração macular consiste em um comprometimento da mácula, pequena área da retina responsável pela visão dos detalhes. Quando a mácula é lesionada, os primeiros sintomas aparecem, como o embaçamento e a aparição de uma mancha escura no centro da visão. A doença costuma surgir com a idade, principalmente em pessoas acima de 60 anos, sendo por isso conhecida como degeneração macular relacionada à idade (DMRI). Entretanto, a exposição à luz azul pode acelerar esse  processo de morte celular. Outros fatores de risco envolvem histórico familiar, fumo e obesidade.

     

A DMRI consiste na destruição lenta e progressiva das células. Aos poucos, a retina morre, deixando um ponto cego que não pode ser revertido. A cirurgia pode reduzir a progressão da doença. O problema afeta tanto a visão de longe quanto a de perto, mas não prejudica a lateral ou periférica. Ainda assim, dificulta ou impede a realização de atividades simples como a leitura. No Brasil são registrados cerca de 2 milhões de casos por ano.